quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Boas Entradas

A pés juntos, por trás, à margem da lei, enquanto o Olegário olha para as cheerleaders, à Paulinho Santos, sem direito a admoestação, de carrinho, em tesoura, à Vidigal, com direito a sumaríssimo, assassinas, com intenção de jogar apenas a bola, à Binya, nas barbas do quarto árbitro e todas as que se lembrarem mais.
São os votos sinceros do staff de mais de 130 funcionários e colaboradores do Impróprio para Cardíacos, o blogue preferido dos nossos oito leitores.

sábado, 26 de dezembro de 2009

A Carreira de Micael

Ruben Micael - nome de cançonetista popular - não canta mas fala aos microfones do DN, dando uma interessante entrevista onde, a dada altura, revela ter vindo a Lisboa prestar testes no Benfica. O excerto que se segue esclarece na perfeição o porquê do clube do futsal não formar um jogador minimamente decente desde...desde...pois.

Em miúdo chamou a atenção dos clubes do Continente?

Há uma coisa que muito pouca gente sabe: quando estava nos iniciados, fui a Lisboa e fiz testes no Benfica. No Benfica, o senhor que me avaliou disse simplesmente que nunca seria jogador de futebol na vida.

Quem foi o “senhor do Benfica”?

Nené.


Afinal de contas, foi também este "senhor Nené" que ao pegar o seu recém-nascido filho nos braços avaliou:

"Vai ser um grande macho"

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Saco de Carvão no Sapatinho

Era uma vez o menino Joãozinho. O menino Joãozinho era um menino muito esforçado e dedicado. Fazia tudo o que lhe mandavam e por isso resolveu escrever uma grande carta ao Pai Natal. Ao longo de páginas e páginas o menino Joãozinho pediu de tudo e do melhor. De tal maneira que o Pai Natal ficou logo desconfiado e mandou um dos seus duendes ir buscar a ficha do menino.

"Menino João Pereira. Gosta de karaté e de ver filmes do Steven Seagal. Tirando isso, também gosta de jogar à bola. Actualmente está na equipa que lidera o campeonato. Este ano ele fez:

- 32 entradas a pés juntos ao nível do joelho (uma delas sem querer)
- 45 entradas por trás a jogar com os sobrinhos no quintal
- 24 paralíticas a desconhecidos nas filas de supermercado

- 23 cotoveladas

- …"


O Pai Natal devolveu de imediato a ficha ao duende e gritou “não há presentes para ninguém. Manda um saco de carvão para esse menino Joãozinho”, mas o duende nervoso, apressou-se a dizer “ó Pai Natal, mas o Daniel Sampaio proibiu-nos de mandar sacos de carvão por causa dos traumas das crianças”. O Pai Natal pensou por uns instantes e lá acabou por resolver o assunto “Está bem! Então manda o rapaz para o Sporting e acabou-se a conversa”.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

João Pereira, sportinguista desde pequenino.

Sim, o gajo é lampião doente.
Sim, o gajo é um arruaceiro.
Sim, o gajo não tem o menor nível.
Sim, disse a mesma coisa nas 3 primeiras linhas.
Sim, o gajo é do Casal Ventoso.
Sim, o gajo provocou o Tello.
Sim, provocar o Tello é perfeitamente aceitável.
Sim, o gajo simulou uma falta (à Benfica) que valeu a expulsão ao Hugo Viana.

Sportinguistas: há muitas e boas razões para não querermos este badameco no Sporting.
Mas há duas excelentes razões para agradecermos ao Pai Natal este reforço:

Abel
Pedro Silva

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Trancas à porta

Se há coisa que eu gosto é ver na televisão um jogo de futebol alegadamente importante, mas no qual o meu envolvimento emocional é igual a Postiga, perdão, zero. Este fim-de-semana ocorreu por três vezes: no Varzim x Portimonense da Liga de Honra, no Estudiantes x Barcelona do Mundial de Clubes e no Benfica x Porto. Como a classificação do meu Sporting era indiferente ao desfecho de qualquer uma destas partidas, muni-me de vitualhas (oh Carla, traz-me aí o dicionário do puto!) e assisti sem qualquer sinal de arritmia às supracitadas partidas. Por outro lado, a conselho do meu médico, apartei-me do meu televisor Salora na hora do Naval x Sporting e do Guimarães x Rio Ave, isto sim partidas realmente decisivas para o meu clube.
Sabendo os meus amigos lagartos que consigo gamar a SportTV à conta de uma puxada a partir do vizinho de cima, tomaram a liberdade de ir aparecendo para assistir ao clássico em relvado emprestado pela Oliveirense.
Subitamente, já as equipas se preparavam para o pontapé inicial, tocam à porta. Aquela hora já não estava à espera de ninguém, por isso estranhei. Mais estranhei quando percebo ser a minha amiga Rita, lampiã dos quatro costados. Duplamente corajosa, ousou enfrentar a intempérie para se enfiar naquele covil de lagartagem. Afrontou aqueles que preferiam seguir a Taça do Mundo de Esqui Alpino noutro canal e sofreu para dentro durante os noventa minutos. Por respeito (medo?) aos anfitriões quase não comemorou o golo da sua equipa.
No final da partida levantou-se e disse exultante: "não sei se sabem meus amigos, mas a partir de hoje venho aqui ver todos os jogos do Benfica e vocês têm que estar cá".
Imaginar sequer que eu, a minha casa, a minha cerveja e os meus amigos poderemos ter contribuído para uma vitória rival deixou-me seriamente pertubado. Tanto que mal dormi. À primeira hora da manhã arranquei a puxada que me abastecia de bola e decidi que a partir de Janeiro, cada vez que o Benfica jogar vou para o cinema. Sem a Rita, claro.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Plantel Novo

Ontem, um avião da companhia aérea Hi Fly com destino a Berlim avariou em pleno de voo. Facto muito estranho que está já a ser investigado pelas autoridades competentes. Não por causa da avaria, mas sim por ter avariado com toda a equipa leonina a bordo à excepção de Liedson. Sob suspeita está uma clara intenção de renovar o plantel.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Lista de dispensas

A lista de dispensas surge sempre no final da época. Assim sendo, visto que a época do Sporting se pode dar por acabada, ficam aqui os nomes que o 7 Maldito dispensaria caso mandasse alguma coisa naquela chafarica:

Abel, Pedro Silva, Polga, Caneira, Grimi, André Marques, Saleiro, Caicedo, Djaló, Postiga e senhor "Manuel" (o nome foi alterado por razões de segurança).
Mas quem é o senhor Manuel, perguntam vocês? O senhor Manuel é um dos mais prolíficos funcionários do Sporting. Foi contratado não se sabe bem por quem no passado defeso e é um trabalhador incansável. Trabalha de sol a sol, faz horas extraordinárias, apresenta-se ao serviço aos sábados, domingos e feriados e recusa-se a tirar férias.
A sua função é uma e uma só: cavar um poço. Há quem seja responsável pelo catering, pela segurança e pela manutenção do relvado (estes também podem ir de saco, já agora). O senhor Manuel é responsável por cavar um poço onde o meu clube caiu e de onde não consegue saír. Quando pensamos que já não é possível descer mais baixo, bater mais no fundo, lá vai o senhor Manuel. Arregaça as mangas e cava mais um bocadinho.
Podíamos emprestá-lo ao Rio Ave, por exemplo.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

O papel de Saviola na recuperação da boa imagem do Sporting

Um dos 132 programas da televisão nacional dedicado a analisar as jornadas futebolísticas, se não me engano da SportTV, tem uma rúbrica denominada "Bolsa de Golos". Semanalmente um painel de ex-jogadores-ou-treinadores-actualmente-no-desemprego-e-garantidamente-com-mais-de-2,3%-de-álcool-no-sangue debita umas aleivosias acerca da jornada transacta e no final decide qual o Top 5 de golos do campeonato até ao momento.
Se a memória selectiva não me atraiçoa, o Sporting está presente nos 5 melhores golos. Este facto vem assim desmentir cabalmente aqueles que acusam o Sporting de não dar espectáculo.
O que eu ainda não disse é que destes 5, apenas um foi marcado pelo meu clube e ainda por cima pelo Yannick, o que não abona nada a favor. Os restantes 4 foram marcados de todas as formas e feitios por malta do Braga, do Olhanense, do Águias de Lordelo, da CUF e por aí fora.
Daí que no passado Domingo quase tenha ficado feliz com o golo que o Saviola marcou aos antepenúltimos (eu disse QUASE!). Pelas minhas contas deve entrar directamente para o Top 3, desalojando assim um dos sofridos pelo Sporting, ou até o marcado pelo Yannick, o que me deixará igualmente feliz.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Espectáculo da Broadway

Os espectáculos da Broadway têm uma particularidade: estão sempre cheios. E porquê? Porque o público sabe que é bom. Independentemente de saberem quem é o artista que vai num determinado dia interpretar o papel de fantasma da ópera ou de Rei Leão (este nem é um bom exemplo). Aliás, a maior parte das vezes nem se lembram que os artistas vão sendo substituídos. Assim obrigam os compromissos a meio da semana e ao fim-de-semana. Assim vai o nosso Benfica. Num espectáculo actua Filipe Meneses, noutro Aimar no papel do Coelho Branco que marca o tempo. Num espectáculo actua Sidnei noutro actua Luisão no papel de Bruxa Má. Num espectáculo actua Javi noutro actua Amorim no papel de Bruxa Boa. Só no papel de Chapeleiro Louco é que temos sempre o mesmo JJ. Os espectáculos da Equipa das Maravilhas têm uma particularidade: estão sempre cheios porque o público sabe que é bom.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Futebol é desporto de machos! Quer dizer...

Tudo começou após o Sporting x Benfica de Sábado: a ASAE recebeu uma queixa acusando o Sporting de descriminar os casais homosexuais no acesso a uma promoção que previa descontos para casais.
Hoje, a saga continua. Então não é que Jorge Jesus proibiu os seus jogadores de usarem collants no treino de adaptação ao relvado onde vão jogar com o hmmm...coiso, em mais uma jornada da fase de grupos da Taça...hmmm...coiso?
Numa sociedade aberta, evoluída e multicultural como aquela em que dizemos viver hoje, já não se admitem actos discriminatórios em relação às minorias sexuais como estes. Se a rapaziada quer usar collants, tutus ou stilettos, deixem-nos! Haja tolerância, por favor. Se o fazem em casa porque não fazê-lo também no local de trabalho?
Não queremos voltar à Idade das Trevas futebolística, em que certos adeptos de certo clube lisboeta dedicavam cânticos insultuosos ao seu capitão de equipa, na altura amancebado com um cantor de uma boys-band, pois não?

Luta de Braço

Li recentemente que a Luta de Braço, também conhecida como Braço de Ferro, “é um desporto muito exótico”. Confesso que fiquei logo curioso. Então mas o Braço de Ferro é um desporto? Não é aquela coisa ilegal praticada por camionistas em bares à beira da estrada para ganharam uns trocos? Eu lembro-me bem quando era pequeno de ver essa grande película de seu nome “O Lutador” onde Sylvester Stallone conduzia o camião com a mão esquerda e com a direita trabalhava os bíceps e devo confessar que aquilo foi muito inspirador, tanto que a Maria sempre que vê a minha carta de condução ainda pergunta “mas porque raio tens tu carta de pesados?” e eu a partir de agora vou responder “foi por desporto!”.
Ao que parece é exótico porque “reúne pessoas com vestimentas e hábitos invulgares”, mas isso é porque ainda não repararam bem na forma como Jorge Jesus tritura pastilha elástica durante os jogos do Benfica enquanto anda de um lado para o outro na área técnica com a camisa para fora das calças e as mãos no seu cabelo acobreado. Jorge Jesus que trava agora um braço de ferro com Domingos Paciência. Jorge Jesus fez a saída (termo técnico para início do “jogo” do braço de ferro) com “o Benfica comigo vai jogar o dobro”. Domingos respondeu “o Braga vai pelo menos fazer melhor que na época passada” e contra-atacou “a pressão está do lado do Benfica” e Jesus respondeu “este jogo não vai decidir nada” e recentemente afirmou “o Sporting está afastado do título”, mas Domingos não tardou com “o Sporting não está afastado do título”. E foi aqui que Jesus se irritou e desferiu o “explosão de força” (termo técnico para jogada final de braço de ferro) com uma tirada de sua autoria na capa do novo livro dedicado ao futebol nacional: “Vocês os três… façam um quadrado”. Pois é Domingos, agora é que eu quero ver como é que te sais desta.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Carvalhal: o Drake explica-te

A 28 de Maio de 1588 zarpou de Lisboa uma frota com 130 barcos, 8 mil marinheiros e 18 mil soldados. Tão temível e atemorizadora força foi apelidada na altura de La Grande y Felicissima Armada, conhecida hoje como A Invencível Armada. Objectivo? Destruír a frota britânica que guardava o Canal da Mancha, acabar com a actividade saqueadora de Sir Francis Drake, escoltar a Londres o exército do Duque de Parma e assistir ao vivo ao Arsenal x West Ham a contar para a Premiership 1587-1588. Se sobrasse tempo, bebiam-se uns pints e violavam-se umas bifas.
Cegos e transbordantes de confiança, em boa parte devido a meses e meses de boa imprensa e odes cantadas pelos menestreis, trovadores, bardos e Goberns do reino, os espanhois pensaram que aquilo ia ser uma brincadeira de crianças (não confundir com as brincadeiras de Chalana com crianças).
Puro engano.
O astuto Drake aguardou pacientemente e à aproximação dos ibéricos, lançou-lhes quatro velhas naus em chamas, que rapidamente causaram o afundamento de metade do plantel castelhano e a dispersão do restante grupo de trabalho. Reza a lenda que depois deste triunfo foi beber uns canecos com a rapaziada tendo acabado a noite mergulhado nas carnes da Rainha. A fuga dos espanhois teve de ser feita contornando as costas da Irlanda e Escócia onde tempestades e whisky martelado trataram de acabar com a pouca moral restante.
Convém fazer aqui um compasso de espera e alertar o leitor incauto que aqui veio parar através de um motor de busca, que isto não é o blogue do Professor Hermano Saraiva, mas antes uma casa de má fama onde se discute o fenómeno futebolístico (e o fenómeno do Entroncamento quando é caso disso).
Toda esta conversa de encher chouriços a propósito do derby de amanhã. Quem leia a imprensa desportiva destes últimos dias, já sabe que um Sporting débil, fraco, baixo, sem automatismos, sem fio de jogo e de rastos espera pacientemente a hora da degola às mãos de um triunfante, brilhante, maravilhante, exultante e excitante Benfica, actualmente a praticar o melhor futebol de Paio Pires à Galáxia de Andrómeda e onde jogam os maiores artistas que jamais pisaram relvados em Portugal. A frota remediada de Carvalhal espera pela Grande y Felicissima Armada de Jesus.
Talvez sim. Ou talvez não.
Se a coisa ficar complicada, recomendo ao nóvel treinador do meu clube que regue com gasolina o Abel, o Grimi, o Caicedo e o Polga, chegando-lhes lume e lançando-os de seguida para o meio da lampionagem. Se funcionou com o Drake pode funcionar connosco.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Calendário

Na antevisão do jogo com o Guimarães, o mister disse que Moreira ia ser o guarda-redes, mas avisou que se tratava apenas de um período que iria terminar. Confirma-se. Moreira não joga mais para a taça. Resta-nos dar os parabéns ao adversário e esperar que este resultado que ditou o afastamento da competição e consequentemente o primeiro objectivo da época por terra, não deixe marcas na nossa equipa. Felizmente, antes do grande derby vamos jogar com o 8º, com o 16º e com o 13º da liga, o que ajuda sempre para dar moral à equipa. É a “chamada” sorte no calendário.

Espinha na garganta

Ou, citando o seu Presidente Vieira, "a boca morre pelo peixe".


quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Escutas no Visconde de Alvalade

Sábado, 14 de Novembro
Edifício Visconde de Alvalade 15h52

Sá Pinto sobe esbaforido as escadas que levam ao piso da Presidência (o elevador está parado até que haja arame para pagar a manutenção).
"Presidente, Presidente! O Villas-Boas roeu a corda!", grita o Sá
"Paciência...e a Mónica Sintra, o que é que disse?", pergunta José Eduardo Bettencourt sem tirar os olhos do FarmVille
"Q...quem?...ó Presidente, continuamos sem treinador...", insiste um atónito Sá Pinto
"...tchiii...raisparta...esqueci-me de colher as cenouras... Tens o telefone do Marco Horácio?", continua JEB
"Quem, o treinador do Jarandicirú, da 4ª divisão do Estado do Maranhão?"
"Não, pá. O comediante" insiste JEB
"Mas...mas...o Marco Horácio tem o Curso de 4º Nível de treinador!?"
"Não pôrra. Mas o Bento também não tinha. Liga-me mas é à Elsa Gervásio e à Isabel Figueira e pergunta se estão disponíveis", continua o alienado JEB.

O telefone de Sá Pinto toca. Segundos depois, Sá tapa o bucal e dirige-se a JEB.

"Presidente, tenho aqui o Carlos Carvalhal ao telefone. Pergunta se..."
"Diz-lhe que sim. Assina amanhã. E já agora pergunta-lhe lá se tem o telefone do Aldo Lima".


Este diálogo é ficção, mas podia bem ser realidade. Dá-me ideia que a direcção do meu clube anda demasiado entretida a organizar touradas e outras palhaçadas.

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Pega de Caras

Dizem os ganadeiros que pegar de caras consiste em dar vantagens ao touro. Desde que tomou posse, José Eduardo Bettencourt só deu vantagens. Deu vantagens ao Benfica, ao Porto e a metade das equipas da Liga Sagres. De tal maneira que Paulo Bento foi embora e Bettencourt viu-se sozinho na arena de frente para o touro e sem tábuas para se esconder. De mãos na cintura, parou, encarou o touro e anunciou que o perfil do novo treinador estava definido, que conhecia muito bem o Sporting e que ia surpreender toda agente. De seguida alegrou a arena com nomes que encheram as páginas dos jornais. E por fim consumou a pega ao anunciar Carlos Carvalhal. Mas estranhamente não se ouviu nenhum “olé” da afición. Parte dos adeptos preferiam Villas-Boas. O treinador que foi olheiro de Mourinho. Outros preferiam Cajuda, o treinador com quem Mourinho bebeu uma vez café. Sabe-se que na lista estava ainda o treinador que Mourinho viu ao longe na praia dos Tomates, o treinador pessoal da esposa de Mourinho e o treinador que Mourinho nunca ouviu falar. Com tanta escolha foi logo ficar o treinador que Mourinho indicou um dia por motivos que não sabe explicar muito bem até porque também já não se lembra.


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

André "tipo-Serra"

País historicamente pobre e de escassos recursos, excepção feita à época em que do Brasil trazíamos mais do que Givanildos, Portugal é uma nação que gosta de coisas boas mas que raramente tem como as pagar. Nascem assim os sucedâneos que nos dão aquela falsa sensação de auto-indulgência (e pronto...aqui os benfiquistas já desistiram de ler este post) e uma ligeira massagem no ego.
Descodifico: Portugal é o país do "tipo-qualquer coisa". Só nesta terra encontramos o queijo "tipo-Serra", uma pasta que nem tem qualidade para ser Serra nem pedigree para ser qualquer outra coisa qualquer. Na mesma linha encontramos também o presunto "tipo-Chaves" que pode bem ser produzido a partir de ossos de vaca moídos numa metalurgia do Barreiro. Não esquecer o pão "tipo-Mafra", que não vale um carrilhão, e por aí fora.
Hoje abro a imprensa desportiva e leio que o principal candidato a treinador do Sporting é um rapazola chamado André Villas-Boas. Não vou aqui tecer qualquer apreciação aos seus talentos como mister, até porque duas jornadas no curriculum não dão para grande coisa. Parece-me no entanto que o Presidente José Eduardo Bettencourt procura acima de tudo um treinador que encaixe no perfil que ele idealizou para o seu Sporting: um treinador cujo apelido tenha duas consoantes seguidas. Como Nelo Vingada não é Nello Vingada e Manuel Cajuda não é Manuel Cajudda, Villas-Boas serve bem. Adriaanse até podia ser, mas tem duas vogais, o que não é bem a mesma coisa.
Espero bem estar enganado, mas dá-me ideia que sem dinheiro para ir à loja gourmet buscar o Mourinho, o meu Sporting está a ir ao Lidl comprar "tipo-Mourinho".

sábado, 7 de novembro de 2009

Novembro é o novo Agosto

Gosto muito da frase "os americanos dizem que...", que a malta usa como prefixo credibilizador de qualquer coisa. Pois os americanos dizem que o aquecimento global é um facto consumado. As calotes (sim aquilo que o Vale e Azevedo dava) polares derretem como cubinhos de gelo num whisky duplo e pelo sim, pelo não, a população das Maldivas vai perguntando a quanto é que está o metro quadrado de terreno na vizinha Índia. Os pinguins não tarda estarão tão extintos como dodos e para vermos ursos polares, só mesmo para as bandas de Sete Rios.
Enquanto isso aqui na Lusitânia, enquanto o Anthimio de Azevedo fala do El Niño e o Nuno Rogeiro de tudo e mais alguma coisa, ainda há escassos dias havia quem fosse a banhos como se em Agosto estivesse.
"Os americanos" vão avisando que a sociedade tem que se ir habituando a estas alterações climáticas, alterando hábitos e costumes. E se há sociedade que grama andar na linha da frente é a Sociedade Anónima Desportiva do meu Sporting.
Perspicazes, rapidamente adaptaram o modelo de gestão do futebol leonino à nova ordem climática mundial. Encararam Agosto, Setembro e Outubro como antes olhávamos para Maio, Junho e Julho: altura de nos fartarmos do treinador, de reparar nas carências do plantel e na inoperância do Director Desportivo. Felizmente Novembro, o novo Agosto, está já aí, e agora sim podem pensar em contratar um novo mister e reforços para a época que agora começa. Chegam agora as capas com nomes de técnicos e craques. Até Janeiro todos os jogos serão amigáveis e será uma verdadeira injustiça se não nos deixarem fazer 10 substituições ao intervalo.
No início de 2010, aí sim, começa a competição a doer. Pena é que as outras equipas não estejam tão à frente como o Sporting, não tendo ainda adoptado este novo calendário. Faremos uma entrada no Campeonato "à lá" Juventus, com 15 ou 20 pontos de atraso para o líder, mas nem isso nos impedirá de ir comemorar ao Marquês. Lá para Setembro, dizem os americanos.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Cantemos todos a uma só voz!

A serem verdade as notícias, Bento demitiu-se.
Obrigado por tudo, mas a decisão já vem com um ano e meio de atraso.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

The Rumble in the Jungle

No verão de 1974, George Foreman combateu no Zire (agora República Democrática do Congo) contra Muhammad Ali, naquele que viria a ficar conhecido como “O Combate na Selva”. Assim que o sino tocou, George Foreman partiu para cima do adversário. Foram 7 assaltos, sempre ao ataque, mas sem conseguir qualquer resultado. Ao 8º assalto, Ali reparou que o seu adversário acusava algum cansaço e contra-atacou. Ali bateu com tudo o que tinha. Direita, esquerda, todos os golpes que vinham nos livros, massacrando a cabeça de Foreman de uma forma nunca vista. Mas não havia maneira de Foreman cair. O próprio viria a afirmar na sua biografia intitulada “The Fight” que naquele dia preferia morrer a cair às mãos de Ali.
Podia estar aqui a preparar-me para falar do túnel de Braga, mas na verdade estou a referir-me à forma heróica com Paulo Bento se vai aguentando de pé. O homem leva na cabeça de todos os lados. Leva dos adversários, dos adeptos, dos adeptos dos adversários, leva da “corte” e dos “terroristas”, leva dos comentadores e dos jornalistas e não há maneira de ir a baixo.
De tal forma que já se discute nos fóruns Sportinguistas (isto disseram-me que eu não vou lá) um possível golpe de estado leonino onde os adeptos planeiam tomar Alvalade à força ao sinal de Maria José Valério a tocar na Rádio Cidade. Resta apenas saber qual é a flor que irão utilizar no cano das espingardas. Eu tenho uma sugestão. Que tal... a... papoilas?

Meus amigos, poupem as vossas forças. Eu já vi no you tube como é que o Foreman acaba o combate.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Lepidosiren paradoxa

A hibernação é um estado letárgico pelo qual muitos animais endotérmicos, em grande maioria de pequeno porte, passam durante o inverno, principalmente em regiões temperadas e árticas. Quando as condições ambientais ficam adversas, os animais mergulham num estado de sonolência e inactividade, em que as funções vitais do organismo são reduzidas ao absolutamente necessário à sobrevivência. A respiração quase cessa, o número de batimentos cardíacos diminui, o metabolismo, ou seja, todo o conjunto de processos bioquímicos que ocorrem no organismo, restringe-se ao mínimo. Eclipsam-se. Fazem-se de mortos. Pode-se dizer que qualquer animal que permanece inativo durante muitas semanas, com temperatura corporal inferior à normal, está em hibernação, embora as mudanças fisiológicas que acontecem durante o letargo sejam muito diferentes, de acordo com as diferentes espécies.
Dos animais que hibernam, sem dúvida que a Pirambóia (Lepidosiren paradoxa) é um dos mais fascinantes. Este peixe colorido e achatado que mais parece uma lombriga ou outro qualquer verme, hiberna enterrando-se na lama, aguardando aí por melhores dias para voltar à vida. Pode passar longas temporadas atolado no lodo, despercebido, aparentemente morto e – surpresa! – assim que as condições estejam mais favoráveis para lombrigar, lá põe a criatura sua cabecinha de fora.

Nas últimas semanas tenho constatado que este nosso país está a ser atacado por uma praga de Pirambóias. Pessoas que nos últimos anos não viam futebol, não liam futebol e não falavam de futebol, saíram da lama. Libertaram-se de anos e anos enterradas no mais fedorento e sufocante dos lodaçais e ei-los agora verdadeiros entendidos da bola. É vê-los ufanos em conversas de café, a teclar sms’s jocosos, e a disseminar graçolas por e-mail. Deve ser certamente deste Verão que teima em não acabar. Um defeso sem fim.

Ah Pirambóias...da lama saíram, para a lama hão-de voltar.



segunda-feira, 26 de outubro de 2009

A vacina

E pronto, começou hoje a administração das doses iniciais da vacina contra a Gripe A. Nesta primeira fase serão vacinados apenas aqueles que desempenhem funções essenciais ao bom funcionamento do país. Seguindo este critério, estão excluídos à partida o Primeiro Ministro, os membros do Governo hoje empossado e toda a oposição. Como sabemos, deles não depende o tal "bom funcionamento do país".
Quem esteja minimamente atento ao que vai escrevendo a nossa imprensa, transmitindo as nossas televisões e difundindo as nossas rádios, sabe bem que as primeiras doses da preciosíssima vacina estão reservadas para Jorge Jesus, Oscar Cardozo, Pablo Aimar, Javier Saviola e Angel Di Maria. Porque enquanto o Benfica for goleando não há desemprego, défice, lay-off, corrupção, Isaltino Morais, analfabetismo ou reumatismo que atinja este nosso Portugal.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Carta aberta a Jorge Jesus

Mister (posso tratá-lo assim? Tenho alguma dificuldade em escrever directamente para Jesus), eu sou um dos muitos adeptos que não ficaram nada felizes no final da época passada quando a imprensa o indicou como possível substituto de Quique Flores. Confesso que não acreditava no Mister (aqui funcionava melhor “Jesus”). Confesso que não lhe reconhecia qualidades suficientes para colocar as nossas papoilas saltitantes a praticar um futebol atractivo e com resultados. Hoje, depois de vários meses de trabalho, de uma dúzia de jogos e outra dúzia de goleadas afirmo que estou novamente insatisfeito. Ainda ontem, metade por culpa da hora do jogo, metade por culpa do trânsito, cheguei ligeiramente atrasado ao jogo e já não vi o primeiro golo. Tive que ir para casa correr os canais de televisão à procura do resumo. Felizmente, a festa do golo repetiu-se mais umas quantas vezes. Mas é aqui que reside o busílis da questão. Não sei se o mister está familiarizado com a Playstation, mas nesta consola é possível jogar on-line e quando uma das equipas começa a golear a outra, o normal é que o jogador que está a perder desligue a sua Playstation e mande o jogo a baixo. Assim, a forma mais prudente de jogar é carregar o adversário no máximo dos máximos até aos 3-0. Nada mais que isto. Pode parecer estranho, mas será que dá para ter uma conversa de pé de orelha com o Saviola e com o Cardozo? É que já se ouve nos corredores da Europa que o Benfica joga muito e não me admira nada que o Inter de Milão queira fazer uma permuta: o 11 inicial deles pelo nosso, coisa que só iria deixar felizes os adeptos do Sporting. Por isso lhe peço encarecidamente que coloque o Benfica a jogar um bocadinho menos. É só até ao Natal. E se os miúdos insistirem em marcar golos em barda, coloque-os de castigo. Se não, levam-nos os jogadores que é como quem diz, mandam-nos o jogo a baixo.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

5 Minutos

Não sei se isto também vos acontece, mas há programas de televisão que não consigo assistir mais do que 5 minutos. É a vergonha alheia que me faz mudar de canal. Estou a falar dos reality shows e afins que invadem a programação. Programas como os Ídolos, onde rapazes e raparigas tentam cantar, ou programas como Parental Control onde pais da 5ª Avenida enviam os seus filhos mimados para Marrocos durante uma semana apanhar excrementos de camelo para tentar que eles percebam o que custa a vida ou ainda jogos do Sporting, onde uma equipa tenta jogar futebol. A realidade deste tipo de programas consegue ser muito cruel. O pior é quando alguém tem a proeza de juntar dois destes universos num só programa. Parece-me claro que ver jogadores do Sporting em Marrocos até podia ser divertido, mas ver um adepto leonino nos Ídolos a tentar entoar um cântico da Juve faz a minha mão deslizar logo para o comando da TV.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Perdoa-os Senhor, pois não sabem o que dizem



Uns acreditam n'Ele, outros não. No entanto, a sua aura divina é inegável e não foram poucos os milagres devidamente comprovados. Diego Armando Maradona - D10S - apurou ontem a Argentina para o Mundial. No final, polémico como sempre, exortou os seus detractores - esses filisteus - a efectuaram-lhe uma série de práticas sexuais contra-natura. Agora chamam-lhe Diego Mamando Maradona.
Só Ele. Ele, a quem nós - comuns mortais - perdoamos tudo.


segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Já não é o que era

Quando à sexta-feira o relógio marca 12:50, não é preciso dizer nada para ver a homenzarrada do serviço levantar-se dos seus lugares em direcção ao restaurante onde a mesa do canto reservada à temporada nos espera para “O” almoço. Um repasto onde só se aceitam doses individuais com mais de 2000 calorias bem regado com um ou mais Green Sands por cabeça e finalizado com um balão dilatador de artérias. Durante esta hora de almoço de duas horas e meia cumpre-se quase sempre a mesma agenda: fala-se de bola e de mulheres entre variadíssimos refluxos gástricos.
Esta sexta-feira tudo mudou. Ao fim da refeição reparei que se tinha apenas abordado temas secundários como política, crise e trabalho. Quando recuperei a minha sobriedade, por volta das seis da tarde de Sábado decidi analisar o sucedido. Foi então que constatei que para além de um adepto do Belenenses e um do Benfica (eu) , todos os restantes participantes eram adeptos do Sporting. Cá para mim, estes rapazes andam a desviar a conversa.

Eu cá não misturo política com futebol

O futebolista do Sporting Marco Caneira foi derrotado por 32 votos nas eleições para a Junta de Freguesia de Almargem do Bispo, no concelho de Sintra.
Se há coisa que me enoja é a promiscuidade tantas vezes observada entre políticos e agentes desportivos, fenómeno que repudio veementemente. Por isso, não vou aqui fazer qualquer tipo de especulação ou relação entre o cidadão aspirante a político local Marco Caneira e o futebolista Caneira. Da mesma forma, da minha pena jamais sairá qualquer teoria da conspiração acusando quem quer que seja pela derrota política do jogador.
Aqui fica a análise fria, objectiva e racional dos resultados eleitorais nesta freguesia:

Sporting: 39,41%
Benfica: 40,17%

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Valha-me Santiago

Lembro-me de em miúdo estar sentado à lareira com a senhora minha avó, comendo scones e bebericando Mariage Frères Jasmine Chung Feng (benfiquistas escusam de ir ao Google: é chá) fervido não mais de 30 segundos, enquanto discutíamos a nossa espiritualidade e eventual religiosidade. A minha avó era fortemente católica, praticante temente a Deus, que desde sempre me tentou juntar ao rebanho. Com grande pena dela, assim que a testosterona começou a circular nas minhas veias rapidamente se apercebeu que eu estava mais para lobo do que para cordeiro.
Dizia-me ela que eu era demasiado novo para perceber o papel determinante do Divino na minha pecaminosa existência. E jurava pela Nossa Senhora da Conceição que um dia eu ainda haveria de rogar ao Senhor por algo mais do que o roliço traseiro da Nela, filha da porteira do prédio do João Rui.
"Infelizmente, meu filho, só te vais lembrar de Deus no dia em que verdadeiramente precisares d'Ele. Só espero que não seja tarde."
Depois, fechávamos os olhos. Ela rezava uma Avé Maria e eu rezava para que os pais da Maria do 4º esquerdo nunca viessem mais cedo do trabalho.

Os anos passaram. A minha avó juntou-se ao criador e eu comprei um lugar por vinte anos no Estádio de Alvalade. Continuei a ignorar a minha espiritualidade e a renegar qualquer divindade para além da santíssima trindade Acosta, Jardel e Liedson. E a profecia da sábia geronte cumpriu-se.
Acabaram-se os milagres de São Liedson e esgotaram-se as aparições de auto-golos no último minuto. O povo sportinguista faz agora a sua travessia do deserto, às mãos do implacavel Bento que teima em lavar as mãos de qualquer responsabilidade, condenando-nos ao inferno que é assistir aquele futebol. E eu, desesperado, não encontrei outra saída senão apelar a Deus.
No estado em que a coisa se apresenta já nem uma ida a Fátima resolvia. Assim sendo fiz-me à estrada e apontei a Santiago de Compostela, a Liga dos Campeões da fé ibérica. Aí chegando, tomei conhecimento da tradição praticada pela população estudantil ao longo dos séculos. Segundo eles, quem for à Catedral e der uma ligeira cabeçada na base da imagem de Santiago terá protecção garantida para o ano lectivo.
Ninguém me soube dizer se a protecção se aplicava a uma época futebolística, mas não hesitei: entrei Catedral adentro, saltei com quantas forças tinha e cabeceei os pés do santo de cima para baixo como mandam as regras.
Apresento-me neste momento com dez pontos (de atraso) na testa, pespegado em frente à TV, esperando a aparição de Bettencourt a anunciar o milagre: Bento vai embora.
E como dizia a senhora minha avó "Só espero que não seja tarde".

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Vaticínio

Diz quem trabalha com Jorge Jesus e até mesmo quem já ouviu falar ou acha que pelo apelido deve conhecer alguém da família que o mister é um estudioso de bola. Ele sabe tudo sobre os adversários, as tácticas, os movimentos atacantes, os pontos fortes e fracos e até o tamanho das chuteiras dos jogadores. E a verdade é que ele provou isso mesmo dois dias antes do jogo com AEK, ao vaticinar o que iria acontecer na Grécia. De futuro vou prestar mais atenção às conferências de imprensa nas vésperas dos jogos.

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Pergunta do dia

- 7 Maldito, porque é que não vais a Alvalade ver os jogos da Ligóropa?

- Sabes que quando nos habituamos durante uns anos ao sabor do lombo, dificilmente voltamos a comer pojadouro. Mas enfim, são hábitos e gostos, que como sabes não se discutem. Mas há quem só conheça o sabor do pojadouro e goste muito. Na zona de Carnide sai muito bem.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Como é que é este ano?

Andei as últimas semanas pelo país onde o futebol se joga com as mãos. Durante este tempo não tive praticamente contacto com a Liga Sagres a não ser uns esporádicos sms’s que recebi com os resultados dos jogos e uma simulação mais descarada que as de João Vieira Pinto (quando estava no Sporting) numa loja de informática onde me fingi interessado por um computador portátil só para ir ao Youtube ver os 6 golos do Benfica. Os que nós marcámos mais o que o Sporting sofreu.
Eu sei que o mister Jesus deu instruções para deixar as questões de arbitragem para a direcção e por isso mesmo gostava de aqui dar voz ao melhor plantel jurídico do nosso campeonato: o Belenenses. Ainda o campeonato vai no início e já estão a empurrar a equipa para baixo. Quanto a Paulo Bento até podemos dar o benefício da dúvida, mas a expulsão de Polga prejudica claramente o Belém. Ao que tudo indica, os dirigentes do clube já estão a pensar no mercado de inverno para contratar um novo advogado para salvar a equipa da descida pelo 3 ano consecutivo.
Durante a longa viagem de regresso fiz de tudo um pouco para passar o tempo, até conversar com um adepto do Sporting. Devo dizer que era um adepto bastante lúcido. Primeiro porque viajava em classe económica, coisa que pensava estar reservada ao povo, depois porque quando lhe perguntei “Então e como é que é este ano?” ele prontamente respondeu “Este ano já é só para o ano!”.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Deixem jogar o Kanye


Vá, brinquem lá vocês também. Cliquem aqui.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Génios do Marketing

Ao ser eleito Presidente do meu Sporting, José Eduardo Bettencourt elegeu imediatamente o Marketing como uma das ferramentas essenciais da sua gestão. Ainda a contagem de votos não tinha terminado e já os marketeers leoninos pensavam na melhor forma de atraír adeptos ao estádio e criar um ambiente que catapulte a equipa para retumbantes êxitos desportivos.
Foram desde logo tomadas duas decisões:
Em primeiro lugar, providenciar a imediata eliminação da Liga dos Campeões e consequente entrada na tal de Liga Europa. Assim, o Sporting deixa de levar cabazadas dos colossos europeus e começa a ganhar a holandeses, cipriotas, moldavos e turquemeni...hnnzz...isso. Isto provoca uma falsa sensação de superioridade e poderio junto dos adeptos que não hesitarão a acorrer em massa a Alvalade. Uma medida brilhante, portanto.
Em segundo lugar, deliberou-se passar a ganhar os jogos apenas nos minutos finais das partidas. Nunca, mas nunca antes dos 80 minutos. O Benfica aposta naquilo a que chamam há 20 anos de "futebol-espectáculo", buscando permanentemente a goleada. Ora como se sabe, esta política tem efeito apenas durante as primeiras quatro ou cinco jornadas. Depois o adepto farta-se da falta de emoção e lentamente desaparece das bancadas. Já o Sporting demonstra muito mais inteligência, jogando habilmente com as emoções dos seus apaniguados, deixando propositadamente que os adversários marquem um ou mesmo dois golos antes de partirem para cima deles numa assombrosa cavalgada, galvanizados pela maestria do génio Djaló. Chega-se até ao pormenor de meter o Angulo de início, de propósito para ser substituído aos 30 minutos debaixo de um coro de assobios. Pede-se ao Postiga para falhar com estilo seis ou sete oportunidades claras. O público não sabe que aquilo está tudo previsto e chega mesmo a duvidar que a equipa consiga chegar à vitória final. Como se sabe, a adrenalina vicia mais que minis geladas e os sócios sportinguistas passam a semana a ressacar ansiosamente mais 90 minutos de emoção e espectáculo, pagando o que for preciso para assistir a um jogo.
Trata-se portanto de uma estratégia de Marketing genial. Um case-study que devia ser leccionado em Oxford, Harvard e na redacção de A Bola, se por acaso alguém por lá soubesse ler.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Secção dos congelados

Este post tem dois propósitos: entreter-me nas muitas horas vagas que tenho, agora que estou de quarentena derivado à Gripe A e calar aqueles que nos acusam de escrever apenas e só sobre futebol (apenas e só...tss, tss...como se sobrasse muita coisa nesta vida...).
Assim sendo, o tema de hoje é a Economia. Em vez de abrir o site d'A Bola e ler as baboseiras do costume acerca do Benfica e dos ressaltos do Saviola que já atingiram 345 views no Youtube, resolvi anter ler o Jornal de Negócios online. E é aí que fico a conhecer o drama de Luís Figo, que tem nada mais nada menos que tem 2,7 milhões de euros congelados. O coitadinho. Ele há malta, de facto, com situações complicadíssimas...
Olhando para o meu congelador a única coisa que lá vejo congelada é um pacote de 250g de ervilhas, uns profiteroles manhosos do Pingo Doce fora do prazo e um robalo de aviário já com as barbatanas queimadas pelo gelo. Milhões nem vê-los.
Pior, na hora de descongelar e cozinhar lá em casa da família Figo, é a Helen que veste o avental (hmmm.......a Helen de avental.........). Em minha casa sou eu. Ou porque doem as varizes à patroa ou porque já está tão bêbeda que nem se lembra de jantar.
Há para aí muita malta a falar de barriga cheia, é o que é.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Bienvenido a Lisboa

Uma vez por outra lá calha recebermos um mail de alguém que nos diz: "este fim-de-semana vai estar aí em Lisboa um amigo meu aqui de Madrid. Será que lhe podes mostrar a cidade?".
É internacionalmente reconhecido que o lusitano é natural e espontâneamente hospitaleiro, fazendo de bom grado tudo o que está ao seu alcance para agradar ao forasteiro. Eu não fujo à regra, por isso tratei de receber o rapaz e mostrar-lhe o que de melhor Lisboa tem para dar.
Deliciou-se com os pasteis de Belém, extasiou-se com as vistas das colinas, refrescou-se nas águas da Caparica, empanturrou-se com o bacalhau, saciou-se com os nossos vinhos, emocionou-se com o fado, abandonou-se pelos becos e vielas do Bairro Alto e abanou-se até de manhã na pista do Lux.
Domingo pelas 18h00 chegava a hora das despedidas.

"Mas o meu avião é só às 23h00...", disse o espanhol
"Pois pá, mas é que eu agora vou à bola", justifiquei-me
"Futebol!? Eu adoro futebol!", insinuou-se
"Hmmm...pois", aliviei para canto
"Posso ir contigo?", insistiu
"Eh pá....não sei se...", continuei eu a jogar à defesa
"Vá lá! Pago as cervejas", contra-atacou ele
"Não sei se é boa ideia. Mas vamos lá então...", concluí vencido mas nada convencido

Minutos depois estávamos em Alvalade. O espanhol pagou 25€ para se sentar ao meu lado, aturar o meu vizinho de trás, beber cerveja sem álcool e ver aquilo.
Foi para o aeroporto sem me dirigir mais a palavra. Nunca mais cá volta.

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Gripe das Águias (Perguntas Frequentes)

Como sabe o leitor sagaz e atento, estamos desde há algum tempo sob a ameaça de um dos mais perigosos e contagiosos vírus de que há memória. Falo naturalmente do SLB1, popularmente conhecido como Gripe das Águias.
Paulatinamente, o pânico começa a apoderar-se da população e é nestas alturas que urge esclarecer e informar, para se evitarem males maiores.
Fica aqui uma sequência de Perguntas Frequentes e respectivas respostas:

O que é o novo vírus da Gripe das Águias (SLB1)?

- É um vírus altamente contagioso que ataca sobretudo a população benfiquista, principal grupo de risco. As vítimas têm normalmente a memória muito curta e uma assustadora incapacidade de distinguir a ficção escrita nos desportivos da realidade.

Quais os sintomas da doença?

- O SLB1 causa nos infectados picos de febre altíssima, levando-os ao delírio e a acreditar piamente que o Benfica será campeão, que ganhará a Champions (mesmo sem participar há uns bons aninhos) e o Torneio de Chinquilho de Atouguia da Baleia. Outros sintomas: os infectados voltam subitamente a falar de futebol, compram em massa produtos oficiais do SLB, retomam o envio de sms's jocosos aos rivais e juram a pés juntos que o Luisão é um bom central.

Como se infectam as pessoas com o novo vírus da Gripe das Águias (SLB1)?

- Ouvindo mais que dois minutos sócios e simpatizantes do SLB, lendo jornais desportivos (um simples olhar para a capa pode ser fatal), sintonizando a SIC, TVI ou SportTV. Ser assinante da Benfica TV é assinar (lá está...) a sua própria certidão de óbito. Ler as crónicas do João Gobern pode ser fatal.
Estes são comportantos de risco que devem ser evitados a todo o custo.

Qual é o período de incubação da doença?

- O período de incubação da Gripe das Águias, ou seja, o tempo que decorre entre o momento em que uma pessoa é infectada e o aparecimento dos primeiros sintomas, é equivalente ao tempo que o Carlos Martins demora a lesionar-se num jogo. 5 a 9 minutos, portanto.

Quanto tempo dura a infecção pelo SLB1?

- Estudos realizados em temporadas recentes demonstram que este vírus começa a manifestar-se em meados de Junho. A sintomatologia dura geralmente até a 6ª jornada. 10ª na pior das hipóteses. Nessa altura dá lugar à Depressão das Águias, tema que abordaremos numa próxima oportunidade.

A doença pode ser tratada?

- Sim, pode. Geralmente uma derrota em casa com um Olhanense ou Metallist (?) ou uma cabazada fora com um Olympiakos são remédio santo.

O que devo fazer entretanto?

- Evite o contacto próximo com pessoas doentes, mantenha-se afastado de qualquer jornal desportivo, mantenha a calma e aguarde tranquilamente pelo mês de Novembro, altura em que se prevê que o vírus esteja extinto.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Que maravilha

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Equipa de sonho

Na baliza, Moretto. O quarteto defensivo composto por Patric, Edcarlos, Zoro e Luís Filipe. No losango Yebda, Balboa, Jorge Ribeiro e Freddy Adu. No ataque Makukula e Marcel. É bem capaz de haver por aí treinadores a sonhar com um plantel como este que oferecesse "outras garantias".

Noite difícil

Hoje a primeira coisa que fiz, foi pegar no telefone e ligar para o serviço a informar o meu chefe que não ia trabalhar. Não sei se é do Verão, se é do calor, mas esta época é dada a muitos exageros. Ontem à noite, foi o que aconteceu. Sentei-me à mesa para jantar com uns amigos e foi só enfardar. Mais um petisco e mais um e mais um e mais outro e agora só mais um e quando dei por mim estava satisfeito como já não estava há muito tempo. Resultado, a seguir fui deitar-me e como toda a gente sabe, deitar de barriga cheia não faz bem a ninguém. Não dormi nada e ainda me fartei de sonhar. Sonhei que estava a ver um jogo do Benfica e já estávamos em período de descontos, quando entrou Pedro Mantorras para marcar o gooooooo.... “Pronto, já passou. Agora dorme”, disse-me a minha Maria. Até acordei cansado. Por isso é que liguei ao meu chefe logo de manhã, mas a recepcionista informou-me que ele já tinha telefonado a dizer que também não vinha trabalhar hoje. Foi quando me lembrei que o meu chefe é natural da terra do choco frito. Ao que parece, também não teve uma noite fácil. Mas por outras razões.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Futebol Moderno

No dia 26 de Outubro de 1863, meia dúzia de bifes juntaram-se num pub à volta de umas quantas litradas de cerveja. Resultado, inventaram o futebol moderno. Na altura, não lhes passava pela cabeça que décadas e décadas depois as equipas viessem a ter softwares de análise ao jogo e centros de estágio, nem que os árbitros viessem a ter microfones, bandeirolas com sensores, vouchers de viagens e pires com línguas de gato em estabelecimentos comerciais nocturnos. A verdade é que ainda as novas tecnologias davam os primeiros pontapés no futebol português, já Jorge Jesus dizia “Eu estou sempre em on-line com o meu adjunto que está na bancada”. Mas estas modernices podem ser traiçoeiras, principalmente quando alguém do staff se engana nas etiquetas e em vez de darem ao Cardozo o DVD que diz “Próximo Adversário”, entrega o DVD que diz “Grandes penalidades do Sporting”.

Depressão pós-parto

Vem escrito na edição de hoje do Record: Fábio Rochemback quer deixar o Sporting, se o actual estatuto de suplente não se alterar. As palavras são de Vifran Pompeu, que - com nome de pomada anti-inflamatória - se apresenta como assessor do médio brasileiro. Diz ainda que "o Fábio está cansado desta situação. Ele quer jogar. Dizem que ele está gordo, mas ele não está gordo... teve um filho e está mais maduro".
Então está explicado: Rochemback teve um filho. Portanto, aquela barriga com que se apresentava na época passada devia-se única e exclusivamente à gravidez. Entretanto o menino nasceu, e como qualquer grávida, Rochemback ganhou uns quilinhos que levarão o seu tempo a desaparecer.
Mas o que me preocupa verdadeiramente é a depressão pós-parto que acomete o jogador, fazendo-o jogar aquele futebol lento, triste e desinspirado. Depressão essa que pelos vistos é mais contagiosa que o H1N1.

quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Olheiro

Depois da travessia no deserto que foram as férias futebolísticas e onde a maior competição que se arranjou para alimentar a testosterona foi a nova versão do jogos sem fronteiras onde o Algarve luta com a Beira Baixa para receber o troféu das mãos de Carolina Patrocínio, qualquer peladinha ou jogo de treino serve para matar o bicho, basta apenas que sejam 11 contra 11. A fome de bola era tanta que se alguém dizia “Queres ir ver o jogo...” era logo interrompido com um contudente “sim” ainda mesmo antes de terminar a frase “... de softball”. Foi mais ao menos assim que fui parar ao Setúbal x Guimarães na segunda-feira passada. Ainda assim, prefiro de acreditar que fui ver o jogo para ver os nosso futuros adversários. Uma espécie de olheiro. O jogo acabou por ter momentos verdadeiramente emocionantes como um grito de incentivo que veio de uma senhora da minha bancada “vamos a despachar que eu deixei o jantar ao lume”. Mas enquanto a sandes de choco frito andava às voltas na minha barriga e a qualidade do futebol praticado insistia em baixar-me a pressão arterial, eis que entra em campo a estrela da noite: Jorge Nice. Pelo nome, podia bem ser o novo extremo esquerdo do Setúbal recentemente contratado ao Grémio Esportivo Monte Alegre de Vimão, mas felizmente era muito mais do que isso. Jorge Nice entrou em campo ao intervalo com a sua viola ao peito para nos presentear com o seu novo tema “Sou Visigodo”.

Sou Visigodo,
Sou Visigodo
Arrrematar sou charrrrouco,
Sou Visigoooodo.

Segunda-feira à noite, ali estava eu sentado numa bancada de pedra, rodeado de pescadores e a assistir a um concerto que por acaso tinha um jogo de futebol à volta. Jorge Nice já foi referenciado a Rui Costa. Agora resta-me esperar ansiosamente por uma deslocação a Leixões na esperança de descobrir mais um grande craque do futebol português.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Grilosevic

Um alentejano empedernido contou-me há meses a sua teoria acerca daqueles indivíduos e indivíduas , digamos assim, mais lentos de raciocínio. Ouvi-o atentamente pois reza a lenda que é da sua belíssima região que surgem os mais clamorosos casos de lentidão mental. O homem tinha tudo para ser uma autoridade na matéria.
Segundo ele, dentro das paredes craniais dessa gente há água. Água que ocupa cerca de metade da caveira. Lá dentro vive um grilo, que sobrevive precariamente flutuando sobre uma rolha. E é a partir dessa sua ilha-balsa que executa as tarefas que o pensamento ordena, puxando cordelinhos. A cada fio corresponde uma intenção que o grilo vai transmitindo aos demais membros com a celeridade possível. Por exemplo, se pedimos ao empregado de mesa da tasca um prato de azeitonas, o grilo puxa o cordel correspondente. Se lhe pedimos as azeitonas e uma imperial, o grilo equilibra-se com dificuldade e puxa um cordel com cada mão. Se por azar pedimos simultâneamente azeitonas, imperial e um queijinho de meia-cura é certo e sabido que o grilo se lança desajeitadamente sobre os três fios, agitando perigosamente a rolha flutuante, que finalmente se vira condenando o pobre animal à morte por afogamento e gerando aquele curto circuito que faz com que nos apareçam na mesa farófias e um abatanado em vez do que tinha sido pedido.
Hoje tenho a certeza que no Montenegro também há malta com grilos no encéfalo. Se pedimos ao Vukcevic para comer a relva como se não houvesse amanhã, o grilo puxa o cordelinho e é vê-lo a deslocar ombros para impedir inofensivos lançamentos laterais. Se lhe pedimos para comer a relva e marcar golos, o grilo trata da ocorrência e lá vai ele atropelar o Liedson e o Postiga até o conseguir. Mas se lhe dizemos "dá tudo, marca um golo, mas olha aí tu tem cuidado com as comemorações porque já levaste um amarelo", o Grilosevic, ainda por cima a ter que traduzir do português, afoga-se.
Podia estar aqui mais seis páginas A4 a falar dos grilos do Pedro Silva e do Polga, mas infelizmente tenho o chefe a pedir-me um relatório, uma apresentação em PowerPoint e dois caf...nnnzzzz ....zzzztttt..... pffffff.........

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

O def direito

Eu tenho um ritual a cada época futebolística que se inicia: primeiro e mais importante que tudo, sentar-me no meu lugar no estádio e aguardar ansiosamente que chegue a família que se senta na fila de trás. Enquanto isso faço figas para que o patriarca tenha sucumbido às mãos do H1N1, de uma entrada do Javi Garcia ou até mesmo de uma congestão depois de uma almoçarada na Cova do Vapor (aka Cova do Pavor). Qualquer coisa, até um choque em cadeia na A1 serviria os meus infames propósitos. Desculpem-me, mas o tipo é realmente insuportável e a ideia de ter que aturá-lo por mais 15 anos é tão dolorosa e traumatizante como a ideia de aturar o Paulo Bento mais uma jornada.
Em segundo lugar, tenho que encontrar um ódio de estimação. Se estiverem de férias ou em greve de zelo em sinal de protesto por não estarem de férias, leiam aqui este velho post, onde vem tudo muito bem explicadinho acerca deste tema.
Ora, confiando que Bento não fica lá muito tempo (para tal já gastei cerca de 341€ em desejos na fonte do Rossio), há que escolher um jogador. Confesso que numa ou outra época a tarefa foi-me dificultada ao máximo, tendo que esperar até 8 ou 9 jornadas até encontrar o meu Tello de estimação.
Mas este ano a coisa está fácil demais. Anda para lá um rapaz ansioso por se mostrar e garantir a vaga. Quem? Abel, pois claro.
Abel provém de uma longa linhagem de defesas-direitos obtusos que durante épocas correram meia-parte ali mesmo em frente ao meu lugar. Assim de cabeça lembro-me do marroquino Saber (o tal que não ocupa lugar), que nunca na sua infeliz existência conseguiu centrar uma bola decentemente. Recordo-me sem saudade de César Prates, rapaz de sorriso franco, um atleta que corria desalmadamente e pouco mais. De Luís Filipe recuso-me falar, não vá o Jorge Jesus estar a ler isto. E aos tempos do João Luís I (ou seria o II?) nem vale a pena recuar, pois a maioria dos leitores desta casa nasceu no pós Mundial 82.
Abel tem a extraordinária capacidade de me fazer acreditar que poderia ter sido futebolista profissional. E atenção que fui dado como inapto na inspecção militar por ter nascido com o pé direito virado para trás. Abel fala bem, mas joga muito mal. Pensa mal, passa mal, centra mal, tabela mal, remata mal e defende mal. Abel é um def na verdadeira acepção da palavra. E não estou a falar de defesa. Este ano vai ter que me aturar.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

O Benfica, a economia e a dura realidade

Tenho a sensação que fui o único português para além do Liedson a não ficar surpreendido com a notícia de abertura de todos os telejornais de ontem: contra todas as expectativas, a economia portuguesa crescera 0,3% no segundo trimestre deste ano. Nem José Sócrates e seu escudeiro (de escudo/moeda) Teixeira dos Santos estavam preparado para tamanho bodo, obrigando a que a malta das relações públicas do partido os fosse buscar de emergência ao parque de campismo do Inatel na Costa da Caparica onde se preparavam para assar umas entremeadas e vazar umas médias na companhia de uns casais-amigos.
Desde pequenino que tenho uma especial capacidade intuitiva que me permite analisar com precisão os comportamentos dos consumidores (morei muito tempo na Maria Pia e entretinha-me a ver da marquise a malta a consumir poeira) e consequentes implicações na economia. Como revela o último censo realizado pela Casa do Benfica de Mogadouro, dos 9 milhões de portugueses, cerca de 8,9 são benfiquistas, prefazendo assim a quase totalidade dos consumidores nacionais. Também é verdade que o poder de compra está com os 0,1 Milhões que sobram, mas isso são outros trezentos...
O que eu pretendo provar com esta converseta e depois ir a Oslo buscar o Nobel da Economia, é que o comportamento da nossa economia está intimamente ligado à performance desportiva do clube do futsal. Se em 2008 estivemos em crise, a culpa foi do Quique, do Yebda, do Sidnei e da lesão do Suazo. O benfiquista acompanhou a equipa na depressão, acabrunhou-se, deixou de consumir e a economia foi por aí abaixo. Mas chegando a Abril, a nação encarnada percebeu que o espanhol Flores tinha os dias contados, o que deu lugar a uma renovada esperança, alguma alegria e um maior consumo que conduziu aos tais 0,3% de crescimento.
Segundo as minhas previsões, os resultados do terceiro trimestre de 2009, esses sim, serão verdadeiramente bombásticos. Com as contratações feitas, as loas a Jesus, as capas de jornais e os quatro torneios conquistados, o benfiquista está eufórico. Espero pelo menos um crescimento de 17,4%, sendo que destes, 12% são à conta da venda de cachecois "Benfica Campeão Nacional 09/10". Os restantes devem-se ao aumento exponencial da venda de cerveja e coiratos que como se sabe são o motor da economia de qualquer país que se diga civilizado.
Mas nem tudo são boas notícias. O pior virá depois. É que hoje começa o campeonato. Sim, aquele onde se joga a pontos. E onde começam todos iguais. Sim, esse em que à partida são sempre campeões mas em chegando a Maio é um "oh tio, oh tio", que o Braga e o Nacional querem-nos roubar o terceiro lugar. Ou seja, lá para Janeiro vem uma recessão de proporções zimbabweanas. E aí quero ver se o Ministro das Finanças que entretanto for eleito vai ter coragem de despedir "O Rui" e o Jesus.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Mudança de imagem

Ou restyling como dizem os "désigners". Foi o que aconteceu aqui no Impróprio: a maior mudança de imagem no futebol português desde que o Artur Jorge rapou o bigode. Foi um longo processo em que consultámos os maiores especialistas do mercado, convidando-os a apresentar propostas. No entanto, rapidamente nos deparámos com um problema: nem na sua actividade de criativos conseguiam ser isentos. Os benfiquistas queriam o Impróprio com predominância de encarnado e os sportinguistas puxavam pelo verde. Um portista teve mesmo o desplante de sugerir que o Impróprio assumisse o azul. Chegou mesmo a enviar-nos a casa um vale de uma agência de viagens e umas simpáticas cidadãs de leste (Ludmila, se me estás a ouvir, passa lá em casa para apanhar as trousses). Assim sendo, fomos forçados a recorrer a um profissional que pura e simplesmente não gostasse de futebol (não, não foi o Vukcevic). O resultado está à vista de todos. Esperamos que gostem. Se não gostarem, azarucho. Têm sempre o blogue do Pacheco Pereira.

Foi mais ou menos isto que nos aconteceu:


terça-feira, 11 de agosto de 2009

Lugar certo

Ontem, se por acaso ainda restasse alguma dúvida, fiquei com a certeza que temos o homem certo para o comando técnico do Benfica. E isto não tem nada quer ver com as taças conquistadas na pré-época ou com o bom futebol praticado. Deve-se simplesmente à minha avó Júlia que tem 84 anos e que, quando viu Jorge Jesus no noticiário exclamou de imediato e cheia de convicção “este sim, tem cara de treinador! O outro tinha cara de tudo menos de treinador!”. A idade é um posto e eu tenho um enorme respeito pelos cabelos brancos. Hoje mesmo Bettencourt, corroborou esta teoria ao elogiar publicamente o Benfica. Como eu o compreendo. É que o presidente do Sporting olha para o Benfica e vê os jogadores todos no lugar certo: os guarda-redes a defenderem e os avançados a marcarem golos.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Parabéns a nós

10 de Agosto é provavelmente um dos dias mais marcantes do calendário gregoriano. A quantidade de efemérides absolutamente incontornáveis que ocorreram nesta data, comparam-no apenas ao dia de Natal, ao dia em que Afonso Henriques deu uma sova na mãe, roubou as pratas e fugiu de casa para fundar Portugal, ao dia em que Nuno Gomes marcou um golo com intencionalidade e ao dia em que Paulo Bento percebeu um jogo antes dos 39.546 espectadores presentes no estádio, incluindo os invisuais de trás dos ecrãs.
Neste dia 10 de Agosto (feriado em minha casa), faleceram Florestan Fernandes (truque baixo para vos obrigar a ir ao Google), nasceram Jorge Amado e António Banderas (forte abraço para este fiel leitor do Impróprio), a sonda Magalhães chegou a Vénus e o Japão rendeu-se incondicionalmente depois da Conferência de Potsdam (consta que Luís Freitas Lobo era o orador. Os pobres japoneses não aguentaram 5 minutos).
No dia 10 de Agosto de 2007, dois amigos profundamente embriagados decidiram fundar um blogue que batizaram de Impróprio para Cardíacos. Já se sabe que filhos de uma noite de álcool nascem malucos e o resultado está bem à vista.
Nestes dois anos fomos visitados por 62.098 leitores (última contagem). Isto preocupa-nos. Preocupa-nos porque aqui não se aprende nada, antes pelo contrário. Estes milhares de almas perdidas nos tortuosos caminhos da internet deviam estar a trabalhar, a estudar ou a assaltar dependências do BES em Campolide. Mas não, estão aqui a ler baboseiras como esta.
O nosso único consolo é saber que 98,7% vêm cá parar através do Google, quando andam à procura de sites de bestialidade e outras coisas mais educativas que este blogue. Aos restantes 1,3% que vêm cá parar porque gostam mesmo disto, o nosso muito obrigado e desejos de rápidas melhoras.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Patrício e a milagrosa bexiga da Ana

Aos adeptos do Sporting pede-se muita coisa. A mim, só para dar o exemplo que tenho aqui mais à mão, pede-se que pague 12€ mensais de quota, que desembolse 330€ por um lugar anual, que vá ao estádio, que vá a alguns jogos fora, que não conteste o Paulo Bento, que não assobie uma equipa que joga junta há três anos mas que mais parece as peladinhas que aqui a malta do serviço joga às quintas-feiras e – pior que tudo – que ouça sem vomitar as declarações abjectas do Salema Garção.
Como se não bastasse, dada a incompetência da equipa, agora também têm que ser os adeptos a resolver partidas. Sim, porque aquele golo embaraçoso ao minuto 95 foi marcado a meias pelo Rui Patrício e pela minha amiga Ana.
A Ana é sócia pagante do Sporting, tem lugar atrás da baliza Vítor Damas (já agora, quando o Liedson lá marcar será considerado auto-golo?) e uma invulgar capacidade para resolver jogos nos últimos minutos. O Universo dota alguns poucos seres humanos de capacidades quase sobrenaturais, diria até para-normais, que fazem a diferença em relação aos demais. As mãos de Michelangelo transformavam blocos rochosos em deslumbrantes obras de arte. Mozart pegava em notas soltas e obtinha as mais fascinantes melodias, Ferran Adriá transforma inocentes ingredientes nas mais esquisitas (do inglês exquisit, se faz favor) propostas gastronómicas, Santana Lopes por onde passa deixa tudo em cacos e a Ana usa a sua bexiga para marcar golos pelo Sporting. “A bexiga?”, interroga-se o veraneante leitor. Sim, a bexiga. Aquela de onde vem o xixi. E os golos, como adiante vamos perceber.
Tudo começou há três épocas atrás. Como qualquer outro milagre, na altura atribuiu-se o feito ao acaso. Mas o tempo viria a confirmar o facto científico. Nessa altura, já no mandato de Bento, o Sporting jogava um futebol fraco e previsível que levava a que muitas partidas chegassem aos últimos minutos perigosamente empatadas. Como ontem, também na altura o tédio invadia o espectador. E a Ana, que tem uma bexiga pequena mas uma grande sede, aproveitava que estava tudo a assobiar a equipa para ir fazer o seu último xixizinho antes do apito final. Ocorre que por duas ou três vezes o Sporting ousou marcar enquanto a minha amiga contava azulejos (literalmente). Aquilo teve piada. Até ao dia da final da Taça em que defrontámos o Belenenses (coitados, há anos que tentam descer de divisão e não há maneira de os deixarem…). Aí, com o jogo empatado a escassos instantes do final, alguém se lembrou de dizer: “oh Ana, e se fôsses à casa de banho para isto não ir a prolongamento? É que prometi à patroa que estava em casa para jantar...”. E a Ana lá foi. Resultado? Centro do Veloso e golo do Liedson.
Já nem preciso de vos contar o que aconteceu ontem, não é? Mal o Patrício começa a correr em direcção à baliza contrária, os vários convivas largam a gritar: “Já para casa de banho Ana! Vai! Rápido! Rápido!”. Ela ainda tentou resistir, alegando falta de vontade. Debalde. Empurrada e ameaçada de pancada pelos mais nervosos, foi. Se urinou ou não, só ela sabe. Mas o Sporting marcou. Na sala, cinco adeptos até então dormentes, saltavam, abraçavam-se e riam à gargalhada. Ninguém se lembrou de resgatar a Ana, que regressou perguntando “estão a gozar, não estão?”. Não estávamos.
Por isso, agradecia que a Sporting SAD tivesse a decência de, dos 2,4 milhões de euros que o Sporting abichou ontem, depositar 1,2 na conta do Patrício e os restantes 1,2 na conta da Ana.
Prometo tudo fazer para que ela invista a soma na contratação de um novo treinador. E um lateral direito. E um lateral esquerdo. E um central. E...

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Publicidade

O Impróprio para Cardíacos revela em primeira mão o novo anúncio da campanha de venda de lugares anuais para a época 2009/10. Segundo fontes próximas do Marketing leonino, "com este reclame esperamos aumentar a venda de Gameboxes em cerca de 220%".



Paulo Bento, o teu lugar é aqui:

sexta-feira, 31 de julho de 2009

Problema de Agenda

Desde ontem, quando o Sporting anunciou que o treino desta sexta-feira iria ser realizado à porta aberta que tenho tentado adiar todos os meus compromissos. Infelizmente, apesar do meu esforço, não vou conseguir ir a Alvalade. Infelizmente para mim e para os jogadores do Sporting. A julgar pelos cânticos da claque leonina no fim do último jogo, é fácil perceber que a equipa preferia ter as bancadas do treino cheias de benfiquistas. Afinal, somos os únicos adeptos que ainda estamos ao lado dos jogadores de Paulo Bento. “Força rapazes, estão no bom caminho”.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

O segredo de Jesus


Muitos foram os apelidos que o mister coleccionou ao longo dos tempos graças à sua farta cabeleira. O Mel Gibson português ou Richard Gere do futebol são apenas alguns exemplos. A verdade é que aquele cabelo esconde um segredo tão bem guardado como a fórmula da Coca-Cola. Só mesmo Jorge Jesus e o seu cabeleireiro semanal conseguem decorar os nomes de todos dos jogadores do Benfica. À velocidade que eles vêm e vão, que são contratados e emprestados é preciso muita mnemónica para não correr o risco de cometer uma argolada durante um treino “Para as bolas paradas vai o Carlos Martins, o Cardozo e tu.... espera lá, quem és tu?”, “mister, é o novo reforço... chegou hoje!” A verdade é que Jorge Jesus tem sido mais fiel ao seu penteado do que é ao 4x4x2. Se tacticamente consegue surpreender, no penteado não há razão para mudar. Para já temos Sansão. Esperemos que o campeonato não revele nenhuma Dalila traiçoeira.

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Intifada

Depois de anos de promessas vãs e poucos ou nenhuns resultados para apresentar, Luís Filipe Vieira, presidente do clube do futsal, decidiu abrir mão de alguns dos seus poderes e começar a delegar em alguns subordinados tarefas que até então lhe competiam. Começou por nomear Rui Costa Director Desportivo. Até agora esta opção não lhe trouxe qualquer resultado e custou-lhe um Balboa. Depois, empossou os No Name Boys - a sua guarda pretoriana - de poderes e liberdades especiais, pagando do seu próprio bolso acções de formação junto dos melhores gangs da margem sul, formando assim uma geração de adeptos especialistas no tráfico de estupefacientes, ajustes de contas (ainda hoje o empresário do Jorge Ribeiro está para perceber quem foram os tipos que lhe partiram as pernas, roubaram a mulher e violaram o cão) e queimadas de autocarros. Os resultados são do conhecimento público.
Como passaram com distinção em todos os exames, teóricos e práticos, LFV decidiu presenteá-los com o MBA da bandidagem: um estágio na Cisjordânia junto do Hamas, com especialização em arremesso de pedras. Poucas semanas depois, a súcia de adeptos encarnados aproveitou uma visita à Academia de Alcochete para pôr em prática essa técnica ancestral com resultados comprovados desde os tempos da Maria Madalena.
Entretanto, ontem pela tardinha o Conselho de Disciplina da FPF resolveu punir Sporting e o clube do futsal com uma derrota, premiando assim os vermelhos apedrejantes com o campeonato de juniores.
Vou aproveitar estas férias para praticar com a fisga do meu mais novo. Sabe-se lá se não vamos chegar à última jornada do campeonato empatados com aquela maltosa. E entre uma pedrada do Rochemback ou uma minha, acho que tenho mais pontaria.

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Partida, largada, fugida

Seja qual for a modalidade, seja qual for o país, existe uma conduta de honra e lealdade entre desportistas que coloca todos como iguais na linha de saída. No atletismo se um atleta efectuar falsa partida, recebem todos cartão amarelo e à segunda são desclassificados. Nos desportos motorizados, sofrem uma paragem de penalização e no futebol perdem em casa no jogo de apresentação com o sétimo classificado da liga holandesa. Mas os erros, servem para isto mesmo: para aprender. Só que Djaló, cometeu mais um deslize e, em vez de aprender com os erros, anda a aprender os erros que o Benfica cometeu durante anos. Bastou ganharem ao Atlético de Cacém, essa potência do futebol mundial, que teve que interromper as férias para ir treinar com o Sporting para entrar logo em euforias. Há quem diga que é Luciana Abreu que anda a deixar o rapaz muito apressado, mas a futura sogra já o avisou, quando ele lhe pediu a filha em namoro “Vai devagar, meu rapaz que agora dou-te a mão, mas o corpinho só depois do casamento”.

Gamebox 09/10

Comprei há poucos dias este produto. À segunda observação percebi que tem um claro defeito de origem. Sendo que adquiri há menos de 15 dias, poderei alegar "período experimental" e exigir a devolução a 100% da verba gasta? Alguém tem o telefone da DECO? E do Paulo Bento, já agora?

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Glorioso LSD, Glorioso L-S-D!

Pela voz do seu empresário, ficámos hoje a saber que Saviola "está alucinado" com o Benfica. E diz mais: "a impressão com que ele ficou do clube é que está ao nível das equipas de topo da Europa. Ao nível de um Real Madrid ou Barcelona".
Saviola não está alucinado. Saviola está com alucinações. Recomendamos-lhe seriamente que comece a usar um boné durante os treinos para não apanhar sol na moleirinha, ou então que deixe de pôr na boca aqueles papelinhos que a rapaziada lá do bairro lhe ofereceu.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Silly Season

Vi hoje na capa de um jornal ou revista rosa que César Peixoto teme perder a sua Diana Chaves por causa da distância que vai de Lisboa a Braga. Como a menina não está para se mudar lá para cima, o casal acordou que será o futebolista a mudar-se para a metrópole (assim se vê quem usa as calças lá em casa...).
Primeiro passo para os pombinhos se poderem reunir: tratar de arranjar um emprego para o César. Ora toda a gente sabe a crise que para aí vai, por isso todos os C.V's que o rapaz envia para lojas da Zara, REMAX e McDonald's têm como resposta, invariavelmente, um "muito obrigado pela sua candidatura espontânea mas de momento não estamos a admitir pessoal".
Assim sendo, a mesma publicação garante que Peixoto estará em vias de assinar pelo Benfica. Jorge Jesus é um treinador muito sensível a estes assuntos de índole amorosa e, como sabemos, o Benfica está sempre aberto à contratação de colaboradores sem o mínimo de qualificações.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Tarefa Difícil


Admiro a ambição, mas falhar a única competição onde são favoritos dificulta muito o trabalho.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Entendimento de Pré-época

Como seria se os chefes falassem sempre aos gritos com uns impropérios pelo meio, cada vez que quisessem dar umas orientações? “SILVA, TIRA JÁ A M**** DAS FOTOCÓPIAS, C******!!!”. Claramente, motivador.
Tive há dias o prazer de me deslocar ao Seixal e assistir a um espectáculo de grande beleza: um treino do Benfica 2009/2010. Sempre de um lado para o outro, o mister não parava de motivar Pablito. Foi quando me lembrei de umas declarações recentes de um ex-jogador de Jesus a um jornal desportivo, no qual afirmava que nunca tinha sido tão ofendido como na época em que foi treinado pelo actual treinador do Benfica. Para já, parece estar a existir grande entendimento entre a equipa técnica e os jogadores. Basta observar Pablito. Cada vez que o mister o incentiva, o jogador responde com um encolher de ombros “qué?!”.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Sim, sou fácil

"Estou farto do Paulo Bento. Põe a equipa a jogar um futebol medíocre, previsível e entediante. A equipa, salvo uma ou outra excepção é pobrezinha e não motiva ninguém. A Direcção é medíocre, não motiva os sócios, sempre com um discurso miserabilista e nada galvanizador. O fosso do estádio é um disparate e afasta-me mais 10 metros do relvado. A família que comprou lugar na fila atrás de mim é insuportável e não aguento mais uma época a levar com eles, quanto mais 15 anos. Não há cerveja com álcool."
Por todas estas razões e mais algumas que agora não me ocorrem, concluí que em época de crise, 330€ para renovar o meu lugar anual era um valor que claramente não se justificava. O retorno desportivo e emocional que a equipa me dá não vale essa soma. Decidi convictamente não renovar o lugar. Uma forma de protestar e fazer sentir à Direcção o meu desagrado onde ela mais o sente: no bolso.
Até que acordo Domingo de manhã ainda com os vodkas da noite anterior a correrem-me no sangue, ligo o computador, consulto a internet e vejo o vídeo com o resumo do galáctico Sporting x Atlético do Cacém. Ainda o defesa da formação Cace...Cacemis...Cac...não tinha acabado de concluír o fabuloso trabalho do genial Matías Fernandez e já eu corria escadas abaixo em direcção ao multibanco mais próximo.
Verde código verde, pagamento de serviços, entidade, referência, 330€, talão se faz favor e a plena consciência de, por alguns breves mas dispendiosos momentos, me ter comportado como um benfiquista.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Reflexão

Cheguei agora do Estádio da Luz onde deixei o meu voto. Não importa em quem votei, se votei em alguém ou se, em sinal de protesto, fiz apenas um desenho do macaco Adriano no boletim de voto. O que importa é que, após uma semana de profunda reflexão, votei em consciência. Votei com a consciência clara que, com tanta trafulhice e aldrabice juntas, ainda tenho muito que aprender para ser o 39º presidente.

Ahmadinevieira

Incrível a sensação de déjá vu que experimento esta manhã ao ver, ler e ouvir as notícias relativas às eleições de hoje no Clube mais Divertido do Mundo. Se a memória não me atraiçoa, ainda aqui há duas ou três semaninhas teve lugar no Irão uma votação com contornos muito semelhantes à da Luz. A única diferença é que para as bandas da Pontinha predomina o vermelho enquanto que na velha Pérsia se trata de verde.
Então vejamos:
Manuel Vilarinho é o Conselho dos Guardiães da ditadura benfiquista. Ainda antes das eleições acontecerem já tratou de cozinhar tudo muito bem cozidinho para que o Presidente prolongue o seu mandato. Diferença entre Vilarinho e os guardiães: os últimos não bebem.
Já Vieira é o Ahmadinejad da Rua Jardim do Regedor. Conquista as massas com um discurso populista, demagógico, recorrendo ao jornal oficial "A Bola" para inventar pretensos ataques exteriores visando reforçar o seu poder. Ele são invasões espanholas, assédios do FCP a jogadores e por aí fora.
Entretanto são 12h15. Pelas minhas contas, daqui a 3 ou 4 horinhas já terão começado - como manda a tradição encarnada - os primeiros desacatos e agressões no Pavilhão Borges Coutinho. É nesta hora que brilham os No Name Boys, as milícias Basij do regime liderado por Ahmadinevieira, encarregues de aterrorizar todo e qualquer opositor ou vendedor de queijadas que ouse desafiar o Líder Supremo.
E por fim há o povo. Os xiitas iranianos flagelam-se ano após ano em memória do martírio do Imam Hussein. Já para o povo benfiquista, a flagelação consiste em assistir aos jogos da equipa-maravilha e ao sistemático martírio de jogadores e treinadores.
No final, quando as urnas encerrarem, de uma coisa podemos ter a certeza: vai ganhar o pior.


"Benfiiiiiica!"

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Aquele querido mês de Agosto

Mês das férias dos nossos emigrantes, das festas nas terrinhas, das farturas e dos concertos nos coretos da aldeia. Mês da venda de camisolas e Kits Sócio do Benfica, de calendários com a imagem de Nossa Senhora de Fátima e cartões MultiOpticas com a cara do Eusébio. É o mês do povo. E porque é preciso esquecer a crise, antecipa-se Agosto e enche-se os jornais com alegrias para todos. Agora fala-se de Saviola, Falcao, Marcel, Freddy Adu e Fábio Coentrão. A verdade é que o povo anda mais feliz e por isso, espero que Jorge Jesus não os desiluda com as suas promessas. Quando ele diz “acredito que comigo o Benfica pode ser campeão já na primeira época” é claro que todos percebemos que o mister está a ser modesto. Agora, quando ele diz que “vou valorizar os jogadores”, resta-me desejar-lhe a maior sorte do mundo. Se for por Marcel, tem trabalho para a época toda.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Livro do candidato Bruno Carvalho com prefácio de Petit

Ou como fazer um dos posts mais cómicos deste blogue sem escrever uma linha.

O drama social de Bettencourt

Um dos sinais visíveis da crise económica que vivemos actualmente é o facto desta começar a atingir de forma nunca antes vista a classe média. Pela primeira vez, as instituições de apoio social começam a receber pedidos de ajuda por parte de cidadãos que até ao momento vinham passando pelas crises de forma relativamente incólume. Cidadãos que aparentam levar uma vida perfeitamente normal, mas a quem começam a faltar recursos para pagar as prestações da casa, do carro, do LCD, da viagem a Cancun, da PS3 dos meninos e da Bimby da patroa. É a chamada pobreza envergonhada.
O caso mais recente chega-nos do Edifício Visconde de Alvalade. Numa tocante entrevista dada ao Jornal do Sporting, o Presidente José Eduardo Bettencourt abre a sua vida e o seu coração e dá-nos conta do drama pessoal que está a passar. Segundo ele, vai ganhar menos no Sporting do que o defesa-lateral Abel. Impressionante, tendo em conta que Abel não ganha mais de 340€/mês (brutos). Se porventura ganha mais, não merece.
Sabendo o Impróprio que Bettencourt é casado e tem cinco filhos a seu cargo, deixamos-lhe aqui um link ao qual mais tarde ou mais cedo terá que recorrer para poder governar a sua vida:

Clique aqui, senhor Presidente. E não tem nada que agradecer: os amigos são para os bons e maus momentos.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Tempo de balanço

Uma providência cautelar apresentada por Adolfo Pereira, um processo disciplinar sugerido por Bruno Carvalho a Luís Filipe Vieira e uma queixa crime de José Eduardo Moniz ao jornal A Bola. Coragem rapazes. Ainda têm mais 10 dias para trabalhar.

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Macaquinhos de imitação

Há mais de 100 anos atrás, quando decidimos jogar futebol (ludopédio, na altura), eles desinvestiram do ciclismo e começaram também a jogar à bola.
Quando decidimos cotarmo-nos em bolsa, eles hesitaram mas depois lá o fizeram, mesmo que hoje ainda não percebam muito bem o que isso é.
Quando ainda antes do Euro 2004 nos lançámos a construír um novo estádio, logo eles vieram atrás e fizeram o mesmo.
E agora, duas semanas depois de elegermos o nosso José Eduardo, os tipos também querem um José Eduardo só para eles.
Gentinha mais invejosa, não podem ver nada aos outros...

terça-feira, 16 de junho de 2009

As maiores eleições do mundo

Este é um ano de eleições para o nosso país. Depois dos dois primeiros actos eleitorais de menor importância, tendo em conta a quantidade de pessoas que se deslocaram às urnas, seguem-se os escrutínios verdadeiramente relevantes para os portugueses. Agora é que vamos ver lavar roupa suja na tv, agressões físicas para vermelho directo e promessas descabidas. Já em relação às eleições do Benfica, o maior clube do mundo também procura as maiores eleições do mundo. E começa bem. Bruno Carvalho decidiu fretar à TAP um Airbus A319 atribuindo-lhe o nome simbólico de “Eagle One”, para apresentar a sua candidatura num voo entre Lisboa e o Porto. Espero bem que esta conferência de imprensa algures pelos céus da Mealhada, apresente o candidato sentado em sofás com pele de vaca rodeado de brasileiras e a beber espumante Raposeira. Bruno, tu por favor, não desiludas os benfiquistas.

Togolês desde pequenino

Sendo Impróprio o meu clube, faltava-me representar as cores de uma selecção. Como um guineense de 29 anos que é seleccionado para os sub-17 de Portugal e desiludido com a prestação da equipa de Queirós (chamar-lhe selecção é um exagero), também eu aceitei o réptil que me foi lançado pela Federação Togolesa de Futebol.
A partir desta data passo também a vestir a camisola desse verdadeiro dream team que é o Um por Togos e Togos por Um, explanando o meu futebol ao lado de craques de nomeada como o Homem da Luz (fundador do Impróprio), Insurrecto (O Zé Bitaite), Bulhão Pato (Mãos ao Ar), Diego Armés (BnRB), Galaad e JNF (Eterno Benfica). Tudo malta da mesma criação, que cresceu nas ruas de Niamtougou com uma AK47 nas mãos e uma bola de trapos nos pés.
Fica desde já o convite a todos vós que são togoleses desde pequeninos para lá darem um saltinho.

http://um-por-togos-e-togos-por-um.blogspot.com/

segunda-feira, 15 de junho de 2009

É o que dizem

Mais tarde ou mais cedo, o dia de apresentar a namorada aos pais acaba por chegar, sempre rodeado de muito nervosismo e entusiasmo. O pai espera por uma moça de fazer parar o trânsito para poder dizer lá no serviço “aquele rapaz é mesmo parecido comigo...”. Já a mãe reza todas as noites para que lhe saia uma nora prendada que saiba engomar os colarinhos do filho.
No ano passado, o filho da casa, “o Rui” para os amigos, apresentou a miúda mais gira da escola. Bastou ela chegar lá ao bairro para ouvirmos logo “que classe... que elegância... que olhos bem pintados”, mas a verdade é que no bordado semanal dos 3 pontos, a menina bonita acabou por ter negativa repetidas vezes. Este ano, ainda ninguém sabe muito bem, mas dizem as vizinhas que “o Rui” já tem debaixo do olho a rapariga mais esperta da turma. Dizem que é uma estudiosa, uma marrona, uma verdadeira artista. De tal maneira que ela própria se auto-intitula a “Paula Rego do futebol”. Isto é o que dizem...

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Sã camaradagem

Imagine que é jogador de futebol. No plantel (vulgo "grupo de trabalho") há pelo menos um ou dois colegas para a sua posição. Mais outros dois que se podem adaptar ao lugar. A concorrência é grande, portanto.
Quando questionados porque não estão a jogar, os jogadores respondem educadamente que "o colega está a cumprir bem" e que a eles resta "continuar a trabalhar para merecer a confiança do mister" e "aguardar pela oportunidade que há-de chegar".
Até hoje, a solução passava por provar nos treinos que se merece a titularidade, com muito trabalho, preserverança e suor.
A partir de hoje a coisa fia mais fino.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

O boicote eleitoral

É já daqui a escassas horas que abrem as urnas para as eleições mais importantes deste fim-de-semana. Com efeito (e junto ao segundo poste), o país em geral e a Europa em particular estão em suspenso para saber quem será o próximo Presidente do Sporting Clube de Portugal.
Tenho sofrido inúmeras pressões nos últimos dias no sentido de revelar o candidato da minha eleição. Sei que a minha condição de líder de opinião a isso obriga, e que unidades e unidades de sócios aguardam a minha decisão para votarem no candidato oposto.
Analisemos então as diferentes candidaturas para melhor perceberem as razões que me assistem (e já se sabe como uma boa assistência é meio golo).
De um lado temos José Eduardo Bettencourt, naquela que é considerada a "lista da continuidade". Eu discordo com esta denominação, porque por muito que JEB e sua eventual direcção se esforcem será difícil, senão mesmo impossível, continuar a fazer um trabalho tão mau como Soares Franco vinha fazendo. Mantendo uma política económica e desportiva de cariz marcadamente racional, JEB propõe-se a tornar as jornadas de futebol em Alvalade ligeiramente mais emocionantes que um pedido de consulta de movimentos num balcão do BES (a menos que se trate do balcão de Campolide, que está para as sucursais do banco como os habituais aviamentos ao Benfica estão para os jogos em Alvalade). Este é o ponto positivo. O ponto negativo é o fatídico slogan "Paulo Bento forever". Com todo o respeito que me merece o mister, já ficou mais que provado que na hora da verdade, quando é preciso realmente jogar futebol, Bento claudica. E isso aconteceu-nos com apenas três clubes esta época: FCPorto, Barcelona e Bayern, com os resultados que se conhecem. "Paulo Bento never", digo eu.
Conclusão: Bettencourt não conta aqui com o voto do 7, nem da sua vasta legião de um seguidor.
Do outro lado temos Paulo Pereira Cristóvão. Qual Pipi Romagnoli, PPC começou bem, impressionando com a sua linha de discurso mais populista, explorando bem as debilidades da Direcção e lista oponente. Mas passadas as primeiras impressões, as fragilidades do seu discurso e a inconsistência das suas propostas foram postas a nú. Em desespero de causa, PPC anuncia atabalhoadamente a contratação de Erikson como seu treinador. O que era bom pois significaria que Bento saía. Mas era mau pois significaria que Erikson entrava: é sabido que o sueco é benfiquista e está acabado para o futebol (sinónimos), sendo hoje recordado no nosso país apenas e só pelo panamá da Macieira que envergava. Um belíssimo panamá, diga-se em abono da verdade.
Portanto, Cristóvão não será eleito à custa do meu voto.
Assim sendo, em quem votar?
Em sinal de protesto perante tão fracas candidaturas, não me absterei. Tão-pouco votarei em branco. Vou boicotar. Boicotarei tal como o fizeram nas autárquicas de 97 as boas gentes de Linhares da Beira, que assim exigiram que os monumentos da localidade pertencessem à autarquia e não à Junta de Freguesia. Um drama comovente e empolgante do qual todos nós ainda nos recordamos.
A partir das 9h30 fiquem atentos às televisões. Quando virem um indivíduo a entornar urnas ou a acorrentar-se à Maria José Valério, já sabem quem é.

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Profissionalismo

Seja na medicina seja na apanha da azeitona, há uma coisa que merece todo o respeito: chama-se profissionalismo. Tanto me deixo impressionar por uma cirurgia videolaparoscópica como por um varejo de oliveira em condições. E apesar de estarem cada vez mais em vias de extinção, fico contente por saber que ainda restam alguns espécimes no nosso futebol. Pelo menos foi assim que Dias Ferreira se referiu aos autores do incidente das escadas, e verdade seja dita, se a intenção era dissuadi-lo da candidatura, o objectivo foi conseguido. Esta demonstração de profissionalismo foi tal que sensibilizou o candidato Bettencourt e o levou a agendar de imediato um encontro casual para discutir o futuro com o capitão Sá Pinto. Outro exemplo de profissionalismo no pugilato a homens do futebol, mas também na arte passar o Verão a beber cerveja à borla no bar de Paulo China. Pena tenho que o nosso Benfica não esteja tão adiantado na preparação da próxima época. Enquanto Quique ainda está à espera que alguém lhe diga qual é o comunicado que deve ler, já Paulo Bento tem uma ideia muito clara na sua cabeça, no maxilar e em pelo menos, duas ou três costelas, sobre o que irá acontecer caso as suas opções técnicas não sejam do agrado do capitão Sá Pinto. Isto só vem demonstrar que Bettencourt é um homem que percebe o clube, que sabe o que quer e até sabe como o conseguir: com muito profissionalismo, pois claro.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

O chiqueiro

Era uma vez uma senhora já muito velhinha que, coitadinha, não teve educação quando era pequena. Vivia fechada no seu mundinho, rodeada dos seus vizinhos e dos seus animais lá na remota aldeia de Onde Judas Perdeu as Botas. Levava uma vida simples e os seus modos eram reflexo disso mesmo.
Nunca viu uns talheres, por isso sorvia ruidosamente as sopas e desmanchava com as mãos os nacos de carne que cozinhava no fogo. O espectáculo não era bonito de se ver, especialmente quando a idosa cuspia os ossinhos (dos animais) e um ou outro dente (dela) para o chão, ou quando limpava as beiças ao braço peludo e encardido.
Um dia, as assistentes sociais levaram juntamente com alguns medicamentos uma colher, um garfo e uma faca à geronte, tentando assim diferenciar o comportamento à mesa da boa mulher do dos suídeos que esta criava. Debalde. A amostra de faqueiro rapidamente foi parar acima da lareira, funcionando como novíssimo bibelot, ao lado de uma ferradura, de uma imagem de Nossa Senhora dos Remédios (genéricos?) e de um retrato amarelecido do seu marido, falecido ao ser engolido por uma ceifeira-debulhadora.
Depois de 70 anos a comer com as mãos, a cuspir as sebências para o chão e a arrotar ruidosamente no final, aqueles talheres não passavam de uma curiosidade, uma modernice trazida pelas gaiatas da Junta de Freguesia.
Este drama sociológico faz-me lembrar o Benfica. Que óbviamente se comporta como a nossa velhota, sendo o conjunto de talheres a sua cotação na Bolsa de Valores.
Já por várias vezes tentaram explicar aquela rapaziada que ao passarem a SAD teriam que adoptar novos comportamentos perante a entidade reguladora. Teriam que acabar com as informações contraditórias, com os boatos meramente especulatórios e com as fugas estratégicas de informação.
Mas foram demasiados anos a comer com as mãos. Por isso, depois da OPA dos chineses, da OPA do Berardo e das 136 contratações que nunca chegaram a acontecer, agora é a rábula dos treinadores. Um dia o Quique vai para o olho da rua e na mesma tarde afinal não. Na manhã seguinte o Jorge “xóriço” Jesus já assinou e na mesma tarde afinal não. E os comunicados sucedem-se para ainda maior descrédito do clube e gáudio de quem está de fora.
Um conselho aos senhores da CMVM: se não os conseguem ensinar a comer com talheres, dêem-lhes um guardanapo. Não resolve nada, mas pelo menos ajuda a disfarçar.